Humanidade

“Tão logo põe a cabeça para fora do túnel escuro e apertado que o conduz rumo ao amplo salão iluminado, o jovem adulto S., de cinco meses, encara seu destino. Tem só cinco segundos antes que dois eletrodos despejem em seu cérebro 1,3 ampère de eletricidade. Ele ficará inconsciente. O tempo é curto, mas S. pode ver, logo abaixo, uma esteira rolante que leva os corpos de seis outros adultos, jovens como ele. Da altura do coração de cada um, verte um grosso jorro de sangue. S. é o próximo da fila.
A massa de ruídos supera os 110 decibéis. São gritos dos animais que estão atrás na fila, barulhos de grossas correntes metálicas movimentando-se em carrossel, de jatos de fogo subindo, de máquinas a pleno vapor.
Quando o corpo rosado de S., aproximados 115 kg, pernas dianteiras esticadas -resultado da contração muscular provocada pela corrente elétrica, desaba na esteira rolante, encontra o operador de sangria. O homem de olhos azuis, todo de branco como um cirurgião, empunha faca afiadíssima. Um golpe e todos os vasos do coração estão seccionados. Leva um segundo. O suíno ainda pedala - é o chamado movimento clônico. Não grita mais. Pupilas dilatadas, S. olha para o nada.”
Essa é a abertura de uma reportagem de um jornal sobre abate humanitário. A repórter esteve num frigorífico que pratica o “bem-estar animal” e isso foi o que ela viu. Vocês estão enxergando algo de humanitário na cena que está acima? O texto completo está nesse link (somente para assinantes do jornal): http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro/fi2709200915.htm .