Afogando o ganso, lavando a égua


A origem de muitas expressões e vocábulos vem da prática milenar e comum de se abusar sexualmente de animais. Como este é um tabu, difícil de se abordar porque ninguém ‘sabe’ do que estamos falando, encontramos sempre uma explicação mais bonitinha para certas expressões idiomáticas.
Não sou a favor de se abolir o uso de gêneros nas palavras ou outras proposições desse porte (mas acho a ideia interessante, pois é preciso criar novos termos), creio que a língua é machista simplesmente por vir de uma cultura machista milenar que se preserva até nos genes. A mudança, portanto, tem de ser na estrutura social e mental. Não adianta mudar a pronúncia ou ignorar palavras que existem. Depois da mudança essencial, a língua, viva, muda naturalmente.
Um livro que aborda corajosamente o assunto é ‘Ecce Bestia’, do psicólogo Ezio Flavio Bazzo. Segundo suas palavras, os animais são “adotados, adestrados, amados, rejeitados, abusados, escravizados, enjaulados, acorrentados, feitos de cobaia e por fim encaminhados ao matadouro”. Na frase “tenho visto muitas mulheres deslumbrantes ao lado de verdadeiros animais”, ele usa a expressão animais de forma pejorativa, exatamente para que visualizemos uma realidade inquestionável. Se existem os bárbaros e eles convivem entre nós, alguém vive ao seu lado e consente com toda a barbárie. Nunca se questiona o passado/presente de ninguém, nunca se usa o pensamento crítico. Enredada na sociedade que a quer patética, a mulher jamais usa do senso observador, nunca constrói um modelo feminino real. Apenas se entrega à paixões cegas, com verdadeiros trogloditas, machistas disfarçados de ‘intelectuais libertários’, cínicos, falsos ou pequenos tiranos. De pronto, perde todo o contato com outras mulheres, não quer ouvir nem ver as demais, que considera tão inferiores quanto si. Por isso é que os homens a querem tão infantil (até mesmo na hora do sexo), vestida de menina e desprovida de qualquer atitude adulta.
E as crianças? Pessoas dos 15 aos 40 anos, imaturas, vêm gerando essas criaturas inocentes que caem de paraquedas neste mundo hostil, vitimizadas com as imposições do consumo de carne, coisificação e inferiorização do que é diferente ou frágil!
“Minha intenção é de apenas ‘navegar’ pela ‘paixão animal’ desses hominídeos e, se possível, entender por que é que se conscientemente fazem tanta questão de colocar-se bem acima das bestas, inconscientemente, na intimidade, precisam buscar lá no estábulo ou lá no galinheiro a sua auto-estima, o seu gozo e a realização dos seus desejos”, escreve Bazzo. A ignorância feminina sobre o assunto é tamanha que, até mesmo em muitos livros sobre o assunto, escritos por mulheres, não há referência sobre as que abusam de animais.
E o conjunto chamado pelos religiosos de ‘família natural’ é que vai gerar crianças e jogá-las no mundo, entregá-las de bandeja a abusadores de animais, de crianças, e às escolas que as tratam como idiotas e não sabem lidar com o assunto. Calma, seu preconceituoso pacato, que é contra os Direitos Humanos e que vibra em frente à TV, não estou falando dos ‘pobres-pretos-putas’ que estão nas delegacias, prisões e masmorras brasileiras, muitas vezes torturados para confessar crimes de estupros/abusos. (Quem lê e ouve as notícias sabe do que se trata). Estou falando de pessoas acima de qualquer suspeita. Ricas, respeitáveis, que vão na sua congregação religiosa e acariciam suas crianças. Estou falando de quem está solto, aí perto de sua casa, e que você não sabe quem é por que não tem senso crítico, está muito mais preocupado em gritar ‘morte e tortura aos presos’ em frente aos programas medíocres da televisão. Estes pais ausentes que deixam seus filhos frequentarem a casa, e outros lugares onde vivem aqueles de quem puxam o saco, jamais vislumbram que a violência contra crianças e animais tem uma raiz comum e difícil de se dizimar.

Os trechos entre aspas foram retirados do livro Ecce Bestia – Libertinagem com animais, de Ezio Flavio Bazzo, Narcisus publicadora & Cia – Brasília DF – Brasil, outubro de 2001.

Nenhum comentário:

Postar um comentário