Nova Zelândia irá proibir testes cosméticos em animais

O governo da Nova Zelândia confirmou que pretende proibir que animais sejam utilizados em testes para cosméticos, graças à pressão de partidos de oposição de grupos de direitos animais. As informações são do Neo Zeland Herald.

A decisão foi anunciada após anos de lobby do Partido Verde do país e de organizações animalistas que queriam proibir testes de maquiagem e outros produtos em coelhos e porquinhos da índia.

O parlamento neozelandês deve recomeçar o debate sobre as modificações na lei de bem estar animal esta semana.

A deputada Mojo Mathers (Green Party) propôs uma emenda que tornaria ilegal para manufaturas na Nova Zelândia usarem ingredientes que foram testados em animais. A proposta não tem apoio da maioria.

Mojo disse estar “nas nuvens” com o anúncio de que o próprio governo iria introduzir a proibição e ter reconhecido seu trabalho. “Eu tenho trabalhado solidamente nos bastidores para fazer esta medida passar no Parlamento há algum tempo”, afirmou.

“É fantástico que nós vamos poder erguer nossa cabeça enquanto país e dizer que também banimos esta prática cruel e antiquada”, disse a parlamentar.

A questão dos testes em animais ganhou importância no país da Oceania ano passado, quando do debate sobre a legalização de drogas sintéticas. Depois de pressão pública, o Parlamento decidiu impedir que fabricantes de drogas recreativas legalizadas testassem os produtos em animais para provar que seriam de “baixo risco”.

O uso de animais para testes de produtos cosméticos na Nova Zelândia não é claramente mensurável, já que as empresas não são obrigadas a colocar essas informações em seus rótulos, mas é considerada rara ou inexistente. Mesmo assim, o Partido Verde pressionou para que a interdição fosse transformada em lei.

Cerca de 90% dos cosméticos vendidos no país são importados e ativistas pelos direitos animais também querem que seja proibida a importação de produtos já testados. Atualmente, já é ilegal o teste de produtos finalizados em animais na Nova Zelândia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário