Evolução humana: a dieta conta nossa história


Índice das partes publicadas até o momento:
[mks_separator style=”solid” height=”2″]
Desde cedo fui muito questionada sobre ser vegetariana, em especial quando fui matriculada no ensino fundamental aos seis anos. Ouvi muita coisa absurda como “você não pode viver sem carne” e, ainda que estivesse viva, assustava um pouco. Hoje sei que eram bobagens. O que me causa interesse é entender como ainda existem dúvidas a respeito deste estilo de vida tão saudável. Certamente, naquela época, o que eu deveria ter ouvido é: se você quer viver de forma realmente saudável, passe de uma dieta ovolactovegetariana para o vegetarianismo estrito, evitando agrotóxicos e industrializados.
Minha compreensão por “vida saudável” envolve tudo o que se pode fazer para facilitar a saúde, não apenas de quem pratica esta vida saudável, mas também a de toda a sociedade e do planeta. Sabemos que comendo de forma correta adoecemos muito pouco e, em grande parte, não sustentamos a indústria farmacêutica, a alimentícia ou a agropecuária, não participamos da degradação do meio ambiente e ainda promovemos um DNA saudável para nossos descendentes.
Veja: o ser humano primitivo caminha sobre a Terra há aproximadamente 195 mil anos, sendo que sua dieta foi de grãos e legumes durante o maior período desse tempo. Nossa cultura evoluiu muito mais rápido do que nossa biologia é capaz, o que explica em grande parte as doenças que apresentamos ao ingerir alimentos aos quais nosso organismo não é adaptado, como carnes, derivados de produtos animais e produtos químicos/industrializados. Claro que não é só isso que nos move em busca de uma melhoria no estilo de vida, tem ainda toda a questão do sofrimento animal e da saúde mental.
As dúvidas que insistem em me perseguir, principalmente devido ao discurso utilizado pela grande maioria das pessoas ao longo da minha vida, me levam, nesse momento, a fazer pesquisas científicas. Infelizmente, não é raro vermos que mesmo os profissionais da área não seguem suas descobertas, seja por questões financeiras ou sociais.
Será uma destas pesquisas que publicarei ao longo das próximas semanas, buscando trazer maior compreensão sobre como era a alimentação primitiva humana, e quais foram suas necessidades e mudanças devido a alterações ambientais. Encontraremos estudos e referenciais científicos, muitos deles traduzidos do inglês, já que pouco é produzido no Brasil a esse respeito. Também será abordada a questão social e econômica que domina as sociedades atuais, fortes motivadores e cultivadores de valores culturais nocivos ao planeta e a nós todos. Poderemos identificar o vegetarianismo como uma preocupação antiga, anterior à Grécia Clássica, perpassando os tempos até os dias atuais. Veremos ainda todo o complexo pensamento que envolvia as antigas crenças espirituais da transmigração da alma e do que chamaram de ética animal. Tentaremos entender o que em nós evita pensarmos e aprendermos com o nosso corpo.
Por ser uma pesquisa muito extensa, as partes serão publicadas separadamente aqui no Vida Vegana, e este post será utilizado como um índice a todas elas. Espero que gostem e aprendam bastante, tanto quanto eu aprendi durante sua realização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário